Empregado Preso: Como a empresa deve agir?

É sempre um susto quando o Departamento Pessoal ou RH

recebe a notícia que o empregado está preso. Passado o espanto, ficam as indagações de como proceder em relação ao contrato de trabalho.

Perguntas:

1) É caso de aplicar a justa causa ?

2) Posso demitir normalmente?

3) Tenho que pagar salários enquanto ele estiver preso?

4) Como a empresa se resguarda em relação ao colaborador preso?

Passemos às respostas:

1) Não é tão simples aplicar a justa causa pois a CLT no artigo 482, alínea “d|” é clara ao prever a questão da justa causa somente em caso de condenação criminal quando não existem mais recursos ou possibilidade de absolvição. Portanto, é importante saber o andamento processual do empregado recluso antes de tomar a decisão da dispensa por justa causa.

2) A demissão poderá acontecer normalmente. Não fundada no fato do empregado estar preso, mas no fato de que a ausência dele no trabalho prejudicará a rotina da empresa e isso autorizaria a rescisão sem justa causa com o pagamento de todos os haveres de uma dispensa normal.

3) Uma outra possibilidade é fazer um acordo com o empregado preso, com base no 484-A da CLT, extinguindo o contrato de trabalho na modalidade de mútuo acordo, pagando metade do aviso indenizado, metade da multa de 40% do FGTS e as demais verbas pagas normalmente. Contudo, isso só será possível se houver a concordância do trabalhador recluso.

4) Enfim, como a empresa deve agir em relação ao trabalhador recluso?

a) O primeiro passo é solicitar a emissão da certidão de recolhimento à prisão do empregado (obtida pelos familiares ou advogado diretamente na unidade prisional em que o preso está). A certidão é emitida pela Secretaria de Segurança Pública e virão descritos na certidão os dados do funcionário e a data em que foi preso.

b) No caso de a empresa manter o contrato de trabalho, o tempo de prisão contará como suspensão do contrato de trabalho e ficará suspenso até o fim da prisão. A empresa não terá que pagar salários ou recolher FGTS, férias, 13º salário, ou outras verbas. O contrato ficará congelado, voltando a ter sua contagem somente após a soltura do empregado.

*Texto informativo produzido pela Dra. Denize Tonelotto – Diretora Jurídica de Tonelotto Advogados Associados. Proibida a reprodução sem autorização da autora.

Este site utiliza cookies para realização de análises estatísticas acerca de sua utilização. Não são coletados dados pessoais através de cookies. Ao continuar navegando neste site, você concorda e declara estar ciente dos termos.